sábado, junho 10, 2006

Para quem nunca viu um Texugo, aqui está um... morto


Embora este Texugo estivesse à beira da estrada, dúvido bastante que tenha sido atropelado.
A principal pista é o facto de estar acompanhado por mais dois. Um atropelamento triplo seria um verdadeiro azar para todos os envolvidos. Assim e conhecendo a vizinhança, tenho a certeza que uma galinha, o mau cheiro ou o medo justificaram o acto.
Agora a carcaça que apodrece à beira da estrada lembra-me mais uma vez que a vida não se vê, mas tira-se.

3 comentários:

ruffed lemur disse...

e quais são as razões possíveis para a morte colectiva?

Pilrito d'Areia disse...

Os habitantes dos meios rurais têm uma relação muito 'crua'com a vida em geral. A morte e a vida de tudo o que não seja humano é decidido por impulsos que demonstram sobretudo um profundo desrespeito e distanciamento com a origem natural, de que todos fazemos parte. Neste caso, a descoberta de uma toca de texugos numa qualquer zona habitada pode justificar o fim dos mesmos. Há que defender a vida das galinhas para que não escapem da panela.
(Baseio-me noutras histórias com o mesmo fim, que tenho ouvido por aqui.)

Papa Amoras disse...

A ignorância é a medalha do Homem ao longo da sua história, e não a sapiência, ao contrário do que pintam as crónicas da colectividade.
A um ser tão complexo, exigia-se mais!