terça-feira, maio 30, 2006

Um Paulo Morais!

Uma lufada, uma brisa que corre, umas palavras que ajudam a não parecer que estamos todos malucos, enfim, ainda há por aí quem construa e consiga editar algo que, embora se sopre e saiba de há muito, faz sempre bem ver promovido em termos públicos, nem que seja apenas... por um dia.


sexta-feira, maio 26, 2006

Quanto mais igorante o povo melhor me governo.

Que ideia tão parva esta de que tudo o que resista por força de subsídios estatais não deve resistir. O orgulho que certos políticos mostram nessa sua luta contra a política do subsídio é sem dúvida confrangedora. Se tudo o resto já não bastasse temos de ouvi-los proclamar a sua ignorância e a sua orgulhosa falta de cultura. Quando parte dos meus impostos vai para formas de expressão que todos consideramos importantes (teatro, cinema, artes plásticas, feiras do livro, etc, etc) orgulho-me de os ter pago. O mesmo já não acontece quando vejo a qualidade das auto-estradas pagas a peso de ouro (as mais caras da Europa) sempre com remendos, buracos, mal desenhadas, mal executadas e tudo o resto que ainda é mais grave. Quantos carros de luxo não pagámos já juntamente com as miseráveis infra-estruturas que nos fazem o favor de constantemente tentar impingir como vitais para o futuro do nosso país.
A cultura é uma infra-estrutura muito mais importante e poderosa que qualquer Expo ou estádio abandonado. Estou certo que o dinheiro gasto apenas nos extras (carros de luxo, luvas, horas extraordinárias, derrapagens, etc) destes dois eventos, que não passaram de dois mega subsídios, daria para limpar algumas teias que turvam a vista de alguns.
Resistir à ignorância ou a quem dela se quer servir deveria ser a nossa luta. Mas não, estamos todos mais preocupados em ter o carro x a casa de férias no Brasil tal como aquele que aparece nas revistas e na televisão. O mesmo que nos diz que as políticas do subsídio são para acabar mas vive dos subsídios (ilícitos) dos negócios feitos na sombra de necessidades 'vitais' para o país.
Esta era a política de Salazar, quanto mais ignorante o povo, melhor se governa. Na altura ainda não existia o consumismo por isso existe uma adaptação para os dias de hoje: Quanto mais igorante o povo melhor me governo.

quinta-feira, maio 18, 2006

Notícias do galinheiro

Porque será que os senhores deputados estão tão preocupados com os profissionais que assinam projectos de arquitectura à mais de 30 anos sem serem arquitectos? Os senhores do CDS até falam num período de adaptação! Quando estamos insatisfeitos com um governo demonstramo-lo elegendo um novo, de preferência sem 'período de adaptação'. A ideia aliás é que saiam o mais depressa possível. Aqui também devia ser assim, mas embora estejamos todos de acordo que o país dificilmente possa piorar a nível urbanístico e arquitectónico, pelos vistos também é unânime que os poleiros não se devem tirar assim, de um momento para o outro, com um balde de água fria, pois os senhores podem apanhar, quem sabe, gripe aviária. Por isso é preciso ter cuidado não vá a coisa tornar-se uma epidemia. Para que serve um galinheiro sem poleiro? Não é verdade Alberto João? E todos sabem que não se pode atirar a primeira pedra, por isso também este assunto será habilmente contornado de modo a que os barcos de guerra fiquem onde estão, no fundo da consciência de cada um.

A revolução não passa na televisão.

terça-feira, maio 16, 2006


...

Andar à pesca

Local - Mercearia no centro da Malveira
Intervenientes - Dono da mercearia e moço (barbeiro) do outro lado da rua

Barbeiro - estive a pescari toda a note!
Dono - todá note?
B - sim, é muito bom
D - ...
B - ele há pexes muto maiores, pescari atum ou xpadarti é qué uma lócura.Atão o xpadarti com aqueles dentes que parece memo uma serra....(espaço de pensamento)É um pexe um bocado ordinário!
O moço vai-se embora e o dono começa uma conversa comigo que demorei um bocado a perceber.Dizia-me que ele andava na modásile, que fazia midiálese. Queimei alguns neurónios até perceber que o moço faz hemodiálise 3 vezes por semana.
D - Tem uma carrada de diabetes e memo assim vai pescari!
Tentei perceber se o tom era de admiração ou de crítica.
Ainda agora não sei.
Conclusão: embora falemos a mesma língua e vivamos no mesmo país, por vezes tenho imensa dificuldade em perceber os outros. Aquilo a que se chama andar à pesca. Acho que nunca vou emigrar. Ou então já emigrei e não dei por isso.

O Medo

Hoje estava a correr num cabeço aqui conhecido por 'Califórnia' e num dos troços de cabo eléctrico que passam pelos montes estavam pousados com intervalos entre eles 2+3+4 pombos bravos virados para o sol poente. Quando passei pelos primeiros dois, nem se mexeram, os segundos três também não. Só os últimos quatro se assustaram e voaram.
Conclusão: o medo é um fenómeno de massas.

EM EXTINÇÃO?

ALGUÉM VIU O MILHAFRE?
DÃO-SE ALVÍSSARAS.

terça-feira, maio 09, 2006

Há quase 100 anos...

"Os regimes políticos são fórmulas transitórias e progressivas, e valem praticamente menos pela doutrina e essência teórica, que pela adaptação feliz ou descabida ao modo de ser psicológico, tradições, grau de educação cívica e de adiantamento intelectual e material de cada povo; todos igualmente bons, todos igualmente maus, conforme aquelas circunstâncias e o uso que deles se fizer, pois uns e outros hão presidido ao destino de povos que sobem ao seu apogeu ou descem à ruína e ao definhamento. Pior que um tirano vitalício e hereditário são trinta ou trezentos tiranos pseudoelectivos, cuja existência limitada, precária e contingente fica tão cara à nação, moral e materialmente, como a sua lista civil, formada de múltiplas parcelas, entre confessadas e desconhecidas."

João Franco Castello Branco, último Presidente do Conselho d'el Rei D. Carlos


segunda-feira, maio 08, 2006

1º Aniversário



E assim, num piscar de olhos, um ano passou desde que a passarada resolveu “abrir” um bolg. Amados por uns, odiados por outros, sem qualquer credibilidade junto de muitos, atacados, defendidos, desastrosos, bem sucedidos, com piada, às vezes nem tanta, com bonecos e fotos, desabafos e confissões, notícias e opiniões fomos dando forma a este espaço que desde sempre se propôs como alternativa ao main stream dominante nesta coisa da blogoesfera.

A todos os que nos apoiaram, citaram, comentaram, defenderam e atacaram, o nosso imenso obrigado. Nós cá estaremos de bico afiado e asas bem abertas, prontos a voar sobre todo e qualquer tema que nos faça piar bem alto aquilo que nos vai na alma!

quarta-feira, maio 03, 2006

Imaginem!...

Esta é uma historieta proveniente apenas de uma imaginação - no mínimo - sinuosa! Mas deixemos as ninharias e vamos aos factos imaginados, claro.

Passa-se em Inglaterra, ano 2006. Existe um senhor que é Presidente da Liga de Clubes de Futebol, que é ao mesmo tempo Presidente do Metro de Londres, assim como Presidente da Câmara de Liverpool?
Verdade,... é o que estão a pensar!
Num sistema democrático sério não seria possível juntar numa só pessoa estes cargos, e mesmo que fosse, nenhum inglês que se preze aceitaria o 'problema' que estes cargos lhe acarretariam.
Este é um dos exemplos do desequilíbrio europeu que por aí pulula e nos torna um pouco mais ridículos aos olhos dos mais crescidinhos.

Sentença: jamais iremos lá!