quarta-feira, novembro 30, 2005


Pasteis de Belem_17 [Por ai fora...]

Mal contada!

Mal contada! Esta história cheira a esturro! Em Portugal existem muitas histórias mal contadas!

Estradas, Carros & CIA. – III



Em primeiro lugar gostaria de chamar a atenção para a forma como o Sr. António Costa define o comportamento dos portugueses na estrada: “sociedade bárbara”. Acho importante salientar isto porque sempre que penso neste assunto, surge-me a mesma dúvida: Se a sociedade é “bárbara”, os seus governantes serão exactamente o quê?

Uma das maiores anomalias intrínsecas ao lusitano é o instinto de imediata auto-desresponsabilização quando confrontado com qualquer espécie de acusação ou problema derivado do seu próprio desempenho. A culpa é sempre de outro que não o mesmo.

No caso das estradas nacionais e da sinistralidade ocorrida nas mesmas, observa-se isso mesmo. Os condutores são bárbaros e portanto a culpa é deles. Deixá-los morrer. Mas se não morrerem, ao menos que paguem e paguem bem por aqueles que morrem. Esta filosofia da culpa encontrada, facilita de sobremaneira a vida a quem devia ocupar-se destes temas. Estudos sociológicos e comportamentais e formas de intervir na mentalidade do condutor português, criando dessa forma a arma mais eficaz para combater o acidente, a prevenção. Tudo isto parece um conto de fadas e algo que nunca passou na cabeça de ninguém que nos tenha governado desde… Que eu me lembro!

E porquê? Porque é que uma intervenção de fundo deste género tem de soar a um sonho? O tipo de coisa que no nosso imaginário só acontece “lá fora”, no estrangeiro? Porque é que salvar vidas nas estradas de um país não é encarado pelos seus governantes com a mesma convicção, seriedade e sensatez que usa um médico para salvá-las num hospital? Será algo impossível de alcançar neste país? Porquê? Porque dá muito trabalho? Porque o prazo até à visível eficácia dessa mesma intervenção supera os quatro anos? Porque ia custar muito dinheiro? E mesmo sendo um centésimo do que custa a OTA, não se pode andar p’rai a esbanjar? Não sei. Talvez uma de cada.

Mas eles até fazem coisas, encontram soluções… As soluções deles é que não me parecem propriamente pensadas para resolver o problema. Parecem-me antes belas fórmulas de gabinete para encher os cofrinhos do estado. O mais estranho é que ninguém parece perceber isto e ninguém, com poder para tal, se manifesta publicamente, alertando à necessidade de direccionar as medidas tomadas a favor da real preservação da vida das pessoas e não contra fatias consideráveis dos seus rendimentos. Exemplo:

Ao fim de seis meses da entrada em vigor do actual Código da Estrada, o panorama era este:
O anti-bárbaro António Costa anunciava com satisfação que o cálculo encontrado pelo MAI apontava para uma média de menos um morto por semana. Facto que A. C. associa directamente ao respeito dos condutores pelo novo diploma e isto é importante.

O panorama positivo é reforçado pela DGV, segundo a qual se registaram, desde a entrada em vigor no novo CE (a 26 de Março) até 26 de Setembro, 545 mortes nas estradas, o que representa uma diminuição de 43 mortos relativamente ao mesmo período em 2004. Parece-me bem, até diria que afinal a coisa até funciona. Mas… Será que funciona?

Depende do ponto de vista! Se recuarmos um pouco no tempo, ao período entre Janeiro e Março de 2005 (em que já era do conhecimento geral que em breve daria entrada em vigor um novo CE bem mais “apertado”) por exemplo. Neste período verifica-se um aumento de sinistralidade mortal de 6,6% e isto torna-se mais grave quando constatamos que o número total de mortos desde o início do ano até 26 de Setembro é de 804.
A cereja no topo do bolo é o resultado prático do respeito que António Costa acredita existir no coração desses bárbaros amedrontados com o documento. Um recorde de registos de infracções muito graves parece ter sido a resposta dos mesmos bárbaros ao novo CE que, no ano da sua estreia, assiste já a um aumento de 101% face ao período homologo em 2004, são 24.956 ocorrências verificadas em 2005 contra as 12.053 em 2004.

Acho que os bárbaros não vão deixar de ser bárbaros enquanto alguém não se preocupar com as suas vidas em vez das suas carteiras.

segunda-feira, novembro 28, 2005

Portugal e a Informática no seu melhor

Os cartórios notariais estão parados!

Todos os serviços dependentes do funcionamento destes locais de 'legalização' estão parados. Os utentes estão com os nervos em estado de sítio.

Questões legítimas: de quem é a responsabilidade pela má escolha do sistema? De quem é a responsabilidade pela falta de critério acerca da capacidade e poder de resposta do sistema?

Mais uma vez, o tal país que se quer desenvolvido vai deixar cair o assunto sem que alguém assuma o ónus da culpa.

Porém, acreditem que o negócio deve ter sido simpático para os seus protagonistas! Só me apraz escrever: "Fartai, vilanagem!".

sexta-feira, novembro 25, 2005

O Horizonte de Soares, no Público

"Para muitos portugueses, Soares representa um passado que, correcta ou incorrectamente, está na origem da situação actual do país. Um passado que querem esquecer."
Manuel Carvalho

quinta-feira, novembro 24, 2005

The Boss falou...

Pinto Balsemão falou e disse!
Os pactos de regime - fundamental. Um grande debate é preciso, para se chegar a uma solução que passe pela renovação de poderes presidenciais; de outra forma o país não vai sobreviver, diz ele!
Apenas um pormenor: esta conversa e o respectivo 'mãos à obra' têm pelo menos 20 anos de atraso - se quisermos condescender com o que foi a 'festa' dos primeiros anos de democracia em Portugal, com evidentes responsabilidades para todos os quadrantes.
Não me parece que vamos a tempo de 'relevâncias', mas como vivemos em 'terra de milagres'!...

Fingindo...




É evidente que as elites e o mundo político querem saber cada vez menos da fractura social. Preferem fingir que não existe.


Wolfgang Storz, Frankfurter Rundschau, Frankfurt

quarta-feira, novembro 23, 2005

A mais fraca

Era, na verdade, a mais fraca do grupo.
A equipa do SLB - fabuloso clube que consegue levar perto de 50.000 pessoas ao estádio de França - não tem classe para esta competição; só lá foi porque o resto das equipas portuguesas não têm por onde se lhes pegue. Uma lástima!

O Man United vem fazer a festa ao Colombo! Inevitável.

Ah!, o FCP, outra lástima. Se não fosse o Scolari estávamos perdidos para o futebol!

terça-feira, novembro 22, 2005

Segurança na estrada contra TV

Esta é uma notícia que acabei de ler na SIC Online.

Ao mesmo tempo, e olhando para o monitor de TV, verifico que está a passar um programa de nome TV Turbo, na SIC Notícias.
O 'pivot' conduz um Saab, equipado com tudo, e as imagens mostram o carro em andamento poderoso, passeando todas as suas potencialidades, numa estrada de dois sentidos.

Aproxima-se uma curva. A voz-off do condutor continua a descrição inerente ás qualidades da máquina, de como é bom conduzir o 'lindo' e tirar partido das suas capacidades nas mais variadas situações, quando, de súbito, a imagem 'assassina: o carro aproxima-se da curva, não na sua faixa de rodagem, na legítima, na legal, mas - e creiam na minha estupefacção - na faixa da esquerda em direcção à dita curva! Como se estivesse numa pista!, mas não estava, não era essa a imagem. De vez em quando o carro cruza-se com outros, portanto encontra-se numa estrada normal, aberta ao trânsito.

Palavras para quê? Foi você, Estado, que falou em Prevenção?

Não quero adiantar mais nada, calo-me, e qualquer palavra só irá servir para me sentir mais agoniado, no reino dos dislates e das irresponsabilidades.

E se, por exemplo, fores um cretino nascido fora dos centros onde tudo se decide, se não frequentaste os cursos elitistas que os dirigentes do teu país te ofereceram, se não fazes parte dos pensadores e dos teóricos da democracia portuguesa, estás lixado: não percebes que as imagens não querem mesmo dizer o que tu chegaste a pensar que queriam dizer, agarras no teu carreco, fazes um passe de mágica e imaginas que conduzes como o 'deus condutor da TV', imíta-lo naquela curva onde já te arriscaste algumas vezes e... truz!, bateste ou bateram-te.

E pronto, passas a ser um número como na notícia da SIC Online "este ano morreram blá, blá, blá.... ", e ninguém ficou a saber quem eras! Bingo.

segunda-feira, novembro 21, 2005

O futuro não é garantia de competência

Creio apenas saber que o romance não pode já viver em paz com o espírito do nosso tempo: se quer ainda continuar a descobrir o que não está descoberto, se quer ainda «progredir» enquanto romance, só pode fazê-lo contra o progresso do mundo.
A vanguarda viu as coisas diferentemente: estava possuída pela ambição de estar em harmonia com o futuro. Os artistas de vanguarda criaram obras, corajosas é verdade, difíceis, provocatórias, apupadas, mas criaram-nas com a certeza de que o «espírito do tempo» estava com eles e que, amanhã, lhes daria razão.
Outrora, também eu considerei o futuro como único juiz competente das nossas obras e dos nossos actos. Foi mais tarde que compreendi que o flirt com o futuro é o pior dos conformismos, a cobarde lisonja do mais forte. Porque o futuro é sempre mais forte que o presente. É ele, de facto, que nos julgará. E certamente sem qualquer competência.

Milan Kundera, 'A Arte do Romance' Citador

Coisas da Lua









Vista da Lua, a Terra é 4 vezes mais larga do que o Sol e 50 vezes mais brilhante que uma Lua Cheia.
NASA

'Amanhã é outro dia'

Frases plenas de significado

domingo, novembro 20, 2005

'Depois queixem-se'

Frases plenas de significado

Morreu José Azevedo



Morreu o Peter (José Azevedo) fundador do Peter Café nos Açores, para quem tive o enorme prazer de criar a mascote Peterzee.
Fica na memória de quem teve a oportunidade de o conhecer, o seu jeito caloroso de receber os forasteiros do mar.
Até sempre Peter.

sábado, novembro 19, 2005

A Dança

Porque é que os candidatos a lugares de refência na estrutura do sistema constitucional português se prestam a um pé de dança, quer gostem ou não, sempre que precisam de explicar ás pessoas as suas ideias relativamente ao cargo para o qual disputam eleições?

Só pode ser por castigo, não?

E já alguma vez foi feita uma estatística no sentido de se perceber se os que mais dançam têm usufruido de melhores resultados?

Foi por ser um dançarino exímio que Santana Lopes chegou a governar Portugal sem se prestar a uma prova de dança?

Será pela falta de sentido rítmico, condição inerente á 'portugalidade', que o país tem andado á deriva nos ensaios do 'ansiado concerto europeu'?

Não era melhor ofertar uma boa quantidade de adufes aos serviços da Presidência da República, no sentido de poderem servir de banda sonora ao futuro presidente sempre que necessitar do apoio da população, nas situações complicadas que se avizinham no futuro próximo?





sexta-feira, novembro 18, 2005

Francisco Anselmo Barros

No passado sábado, Francisco Anselmo Barros, ecologista de 65 anos, ateou fogo ao próprio corpo em protesto contra a instalação de um projecto industrial na bacia de Alto Paraguai.

Fico sem palavras para um acto que independentemente de tudo o que o possa rodear constitui nos dias de hoje uma lição na relação e vivência neste planeta onde a materialidade económica contaminou todos os homens. Afinal parece que ainda existem exemplos de sacrifício em prole da preservação do meio físico e humano. Não é o sacrifício falso de uma intervenção militar que tem sempre por trás razões económicas, mas sim um acto do qual não se poderá retirar qualquer lucro que não seja a sensibilização dos órgãos do poder e das pessoas em geral.

Borraram a pintura!

Estes 'patriotas turcos' ainda têm alguma dificuldade em perceber o Ocidente.
Ai, ai, o que pensará o seu 1ª ministro?

quinta-feira, novembro 17, 2005

terça-feira, novembro 15, 2005

O orgulho de ser português!

No site da candidatura de Mário Soares e incluído no seu Manifesto Eleitoral surge esta ideia, inscrita numa frase:

"Reconquistar o orgulho de ser português"

É no mínimo estranho ver esta inscrição numa campanha de Soares. Se não visse não acreditava; pensaria sempre que onde se lê português se devesse ler europeu!

No entanto, e independentemente da surpresa (relativa e agora sem ponta de ironia), penso, também, que é mais do que urgente repensar a questão do 'ser português', porque tenho a convicção de que os modelos aplicados na construção da casa portuguesa têm sido copiados de outros, inadequados ao nosso conteúdo cromossómico, e que, decididamente, não nos servem porque ignoram a nossa natureza.

Seria, nesta altura, uma discussão muito interessante, e poderíamos levantar algumas questões que primam pela falta de 'correcção' política, correcção essa que nos tem sido impigida em litradas descomunais de informação alinhada, nos mais variados canais instituídos, sejam eles públicos, sejam eles privados.

Esta questão não pertence a Mário Soares, nem a ninguém, em especial. Pertence-nos, pura e simplesmente; é de todos.
Mas não se deve confundir o rabo e as calças, nem se pode exigir que, pelos exemplos oferecidos, até hoje, por quem de direito, aos menos aptos, e são milhares em Portugal, essa maioria possa apresentar-se, hoje, adulta, amadurecida, apresentando os níveis de consciência que seria suposto mostrar, de respeito por si, pelo próximo e, consequentemente, pelo seu 'estado'. Essa luta foi perdida e não há que inventar, dizendo ser esse o preço da democracia - é mentira. Infelizmente, o sistema, através dos seus condutores não conseguiu resolver o que poderia ter sido, ao menos, tentado!

Como dizia Teixeira de Pascoaes, afastado da lide do politicamente correcto, tanto no seu tempo como agora: - livrai-nos, senhor, dos que confundem as pernas e os braços com a cabeça!

Pode ser que ainda tenhamos tempo para aprofundar essa discussão sem assistirmos ao final sem glória de uma ideia concreta chamada Portugal.




Pasteis de Belem_14

sábado, novembro 12, 2005

Monica Bedi

No site da SIC pode ler-se:

A extradição foi autorizada, na presunção de que Abu Salem e Mónica Bedi sejam condenados à morte ou a prisão perpétua.

A questão que coloco é: foi mesmo nesta presunção que a extradição foi autorizada? De certeza?

quarta-feira, novembro 09, 2005

A ilusão

Desde que Cavaco Silva apresentou a sua candidatura, todo o mundo virou anti-cavaquista. Até pessoas insuspeitas, como os caramelos Martim e Manuel, entraram na onda do bota abaixo. A crítica fácil e destrutiva – o “está mal, porque sim” - é uma característica da opinião publicada que me irrita cada vez mais.
Antes do anúncio formal da sua candidatura, jornalistas e opinion-makers sentiam imensas saudades do “rigor e da prosperidade económica” que Cavaco promoveu. Os sucessores António Guterres, Durão Barroso e Santana Lopes eram e continuam a ser arrasados por comparação directa com Cavaco.
Mas, constato agora, todos estavam iludidos. Não sei com que fundamento, tinham a esperança de que Cavaco Silva tivesse mudado. Tinham a ilusão de que o Cavaco de 2005 seria simpático, ágil, com piada fácil na ponta da língua, adepto do diálogo e, principalmente, muito bem acompanhado. Pensavam que a Maria já não teria grande influência – mas, em compensação, teria ganho um guarda-roupa de “mulher do Presidente” –, que o Fernando Lima desapareceria do mapa, que o homem do dinheiro não se chamasse “Zeferino” ou “Manuel Joaquim”…
Enfim, todos tinham a vã esperança de que Aníbal Cavaco Silva não fosse Aníbal Cavaco Silva.

Meus caros: nenhum homem de 60 anos muda de pensamento, de personalidade, de amigos e de mulher.

É de Cavaco que Portugal precisa no Palácio de Belém? Ainda não cheguei a nenhuma conclusão.

Pasteis de Belem_9

terça-feira, novembro 08, 2005

Investigação séria!

Fomentar o estudo da cretinice em Portugal é um dever de cidadania.

E saber o porquê do aumento desta terrível anomalia que um dia poderá levar à extinção de portugueses com braços e pernas e a transformá-los em lixo com olhos e pedigree, os chamados detritos pasmados, é urgente.

Está generalizada a distribuição da maleita: sectores público e privado.
Se a isto juntarmos a malandrice, a quadrilhice barata, a esperteza típica do 'tuga', o resultado é assustador. Ler a notícia.



segunda-feira, novembro 07, 2005

?Alemanha?

Também tu?

? ! ?

A Europa experimenta uma atitude de incredulidade ao que se vai passando num dos seus órgãos vitais - a França!
Na 'terra da revolução' e 'nas outras terras de outras revoluções', a pergunta é:
como explicar este fenómeno?
Multiplicam-se as hipóteses, e as absurdas!
O que perspectiva este cenário?
Não ouvi! Pode repetir? Não... não consigo entender! ou 'Sim, percebo,... não preciso que me diga mais!'

E que notícia é esta?



sábado, novembro 05, 2005

Primeiro debate de ideias


Pasteis de Belem_7

Pasteis de Belem_6

Discurso de Candidatura


Pasteis de Belem_5

Pasteis de Belem_4

!

Nada perturba tanto a vida humana como a ignorância do bem e do mal.
Cícero

Estruturalmente assassino!

Convencionou-se em Portugal que matar um cão ou um gato nas estradas, sejam elas de cariz urbano ou não, e já para não falar nas auto-estradas - para mal dos nossos pecados sempre mal defendidas pela Brisa cobradora, mas com utentes à sua altura - , é um produto do fado português, da sorte e do azar, e... que se lixe, em suma: acontece!

O que quero dizer é que, independentemente de isso poder acontecer 'por acidente', o facto é que essa violência diária faz parte de um quadro de normalidade no nosso país.

O mais infame assassino é aquele que mata quem não se pode defender e, ainda por cima, foge.

Já ouvi dizer que um país com tantos problemas, com o número de desempregados a subir, com estados básicos de subdesenvolvimento na educação, na justiça e na cultura - porque a saúde é disso resultado - não se pode preocupar com os 'animaizinhos' que por aí vagueiam ao sabor das circunstâncias.
Não é verdade. E não é verdade porque o assunto deve ser posto ao contrário: só um povo cujo respeito pela vida e a defesa das condições de manutenção dos indefesos é primordial pode ser autónomo e capaz para poder fazer face, com sucesso, aos seus problemas políticos e organizacionais.

Assim, concluo, ao abrigo dos meus direitos democráticos, que o povo português, no qual me incluo, comporta-se como um vulgar assassino à solta, sem qualquer receio de castigo.

Quando conduzir, pense que não está sozinho e que existem criaturas que não têm culpa de ter nascido num mundo que, na verdade, não pertence a ninguém e que definitivamente não sabem ler nem possuem conhecimentos de trânsito.
E está nas mãos dos utentes exigirem, até para sua segurança rodoviária, a implementação de mecanismos que não permitam a circulação de outsiders nas estradas.

E,... por favor, não manche a estrada de sangue!

Está a chegar!

Estou com um pressentimento de que há Milhafre por perto!

Gralha? No título?

Valentim apoia Alegre!

sexta-feira, novembro 04, 2005


Pastéis de Belém_3

Sinais!









Sul de Espanha, as fronteiras e o arame farpado, o exército e o 'tratamento' dos esfomeados. Agora... Paris, os de segunda, desempregados, os desintegrados, os interesses instalados, as lutas dos ditos, a fauna política caduca, 'primeiro nós' depois 'logo se vê', a ciência da Paz e da Guerra repleta de equações teóricas e os organismos em movimento, indiferentes às letras e números, cumprindo - e só - a natureza, no Wonderful World das Luzes. Sempre mais uma vez...
É a vida! como diz o apresentador do Gil.
O que se estará a passar com a inteligência da Europa e com a Europa inteligente?

Que tristeza!

Farto-me de olhar e... nada! De Milhafre, nem a sombra...

Pastéis de Belém_2

Pastéis de Belém_1

quarta-feira, novembro 02, 2005

Azar?

Afinal, eu estava com razão!

A verdade às vezes dói e veio ao de cima; e até a reacção do público à atitude 'desportiva' de Simão vem configurar um problema de 'falta de cabeça' que também impera no país.

Mas, enfim, e como é próprio dos mais fracos - bateram-se bem!

Ficam na história do SLB como a primeira equipa a perder com um adversário espanhol!


Definitivo!

Vi os primeiros 20 minutos de jogo, e o V&V da PT, vulgo SLB, até pode vir a ganhar, mas uma coisa tenho como certa - embora não dê para vender jornais -: deve ser a pior equipa do grupo!

Viva o Brasil!

Pastéis de Belém

terça-feira, novembro 01, 2005

Lesões!

Na RTP, Fátima Campos Ferreira pede ao público presente num debate sobre questões presidenciais para não fazer barulho!

Ao mesmo tempo refere que a espontaneidade no seu programa tem uma relação próxima com as touradas!

Vital Moreira, pouco depois, aponta o descanso com que se pode dormir com Mário Soares!

Um dos oradores convidados afirma, extasiado, que, em Espanha, as cabeças pensantes possuem um plano para atacar os seus problemas mais prementes!

A gripe, seja ela qual for, está a chegar e em força.